SILVER POINTS

HIMALAIAS SILVERS SHADEDS?
CONHEÇA COM EXCLUSIVIDADE OS PRIMEIROS DA AMÉRICA LATINA

 A novidade chega ao Brasil através do Gatil Blaze Star.
            A proprietária e Criadora, Elaine Jordão, desde 1993 vêm desenvolvendo um excelente trabalho genético com gatos persas, mais especificamente na linha de Himalaias Azuis e Chocolates, de Silvers Shadeds, Silvers Chinchilas & Goldens.  Desde a fundação de seu Gatil, sempre foi apaixonada por eles: os primeiros, com seus lindos olhos azuis e sua distribuição de cores restrita somente ‘as extremidades do gato; e os magníficos Silver Shadeds, Chinchilas e Goldens, com seus belíssimos olhos verdes e sua pelagem sombreada e etérea, fazendo-nos lembrar uma nuvem.
             Naquela época, podíamos observar que o trabalho genético com os himalaias estava bem avançado: já havia diversos exemplares no padrão ideal, apesar de serem muito menos numerosos em relação aos persas. Sua opção foi direcionar a criação para os Himalaias Azuis, Chocolates e Lilazes, inclusive  tigrados, os mais raros dentre eles.
             Já os Silvers e Goldens eram bem diferentes: nariz mais baixo, cabeça menor, olhos nem sempre tão grandes e redondos, de estrutura ligeiramente mais leve. Carinha de gato, realmente. Esses fatores são inerentes ‘as suas características genéticas, pois os mesmos genes que promovem tão linda cor de olhos, bem como o aspecto esfumaçado da pelagem, também agem impedindo que o padrão ideal seja atingido. Não existiam, no Brasil ou no Exterior, Silver Shadeds, Chinchilas ou Goldens com aquele corpo bem robusto, aquela carinha redonda, orelhas pequenas bem implantadas numa cabeça grande e abaulada, olhos arredondados e narizinho enterrado entre os olhos, típicos da raça. A dificuldade era ainda maior no caso dos Goldens, uma vez que eles surgiram a partir dos Silvers somente há poucas décadas atrás, frutos de uma mutação genética ainda inexplicável pelos cientistas.
            Assim, eles não eram muito valorizados pela maioria dos criadores, que preferiam trabalhar outras cores de persas com maior potencial de gerar filhotes com padrão Show.
            Mas eles eram realmente muito bonitos, e o desejo de vê-los entre os melhores persas do país cresceu no coração de Elaine Jordão, uma das pouquíssimas a criar esses gatos no Brasil.
            Então, como conseguir exemplares dessas cores, tão bons quanto os Persas de olhos cobre?  Pesquisando a respeito dos trabalhos genéticos já realizados com eles, observou-se que o padrão ideal era geralmente obtido através de acasalamentos consangüíneos, ou seja, entre parentes, para obter gatos com a carinha cada vez mais chata.
             Os gatinhos eram melhores; porém, conforme desenvolvia-se o aprimoramento do padrão ao longo dos anos, observou-se que esse tipo de acasalamento vinha trazendo, gradativamente, uma fragilidade ‘a raça:  eles eram portadores, também, de saúde muito mais delicada do que os gatos de nariz mais longo. Era uma opção, mas não o melhor caminho a seguir, pois a preocupação do Gatil Blaze Star não era somente com o padrão dessas novas e tão belas cores, mas principalmente, com a manutenção da excelente saúde e qualidade de vida de seus animais, já reconhecida internacionalmente.
             Estudando melhor a linhagem dos Shadeds e Chinchilas aqui no Brasil, percebia-se também que a maioria deles vinha praticamente de uma mesma linha, o que já implicava em certo percentual de consangüinidade, mesmo que distante. E, ainda assim, não havíamos obtido nenhuma melhora significativa no padrão.
             Havia outras experiências, aonde eles eram acasalados com persas Top Show; porém, de outras cores e de olhos cobre. Os filhotes também eram mais bonitos; entretanto,  a cor verde dos olhos se desvanecia, assim como a cor da pelagem, que se tornava cada vez mais escura, descaracterizando a cor clara dos Silvers de olhos verdes. Foi a partir daí que surgiram os Pewters, os Silvers de olhos cobre.
              Muitos criadores encantaram-se com eles, e deixaram de lado os projetos de melhoria do padrão daqueles primeiros: os Pewters eram também uma novidade, porém muito mais fáceis de obter o tipo excelente, já que eles pertenciam ao grupo de persas de olhos cobre.
             Nesse trabalho, era possível recuperar a cor clara da pelagem e a cor verde dos olhos; mas isso exigia extrema paciência e tempo, pois os resultados eram bons a partir da quarta ou quinta geração, o que levaria, aproximadamente, 5 anos, respeitando-se a saúde e integridade dos pais e descendentes.
             Assim, a melhor escolha para produzir lindos e saudáveis filhotes era realmente importar gatos de linhagens que já vinham sendo trabalhadas há muito mais tempo que no Brasil, o que só poderia ser encontrado nos Estados Unidos e Europa, em cujo berço nasceram os Silvers.
            Dessa forma, objetivando melhorar o padrão de criação Nacional, e o conseqüente aprimoramento da raça, o Gatil Blaze Star importou dos Estados Unidos os primeiros Silver Shaded  e Golden Shaded de olhos verdes com padrão Top Show da América Latina: eles estão classificados entre os melhores exemplares do Mundo.
            Foi uma busca árdua que durou 04 anos,  até que fossem encontrados exemplares com tais qualidades; e realmente valeu a pena. E o aprimoramento do padrão teve continuidade, até que obtivéssemos gatos ainda melhores que eles.  
            Mas... ainda havia outros ideais,  que também acalentavam seu coração. Como seriam os Himalaias Silvers Shadeds? Aquela linda coloração prateada dos Silvers, que refletia sob a luz, somente nas extremidades de um Himalaia... com belos olhos azuis... deveria ser realmente lindo! Geneticamente, era perfeitamente possível; porém, ninguém havia tentado ainda, nenhum exemplar era conhecido. Eles são extremamente raros, mesmo a nível Mundial.
           Era evidente que seria um desafio ainda maior obter filhotes com um bom padrão, já que ambos favorecem o narizinho mais baixo e longo: os Himalaias, por terem como ancestrais os Siameses, e os Silvers, por suas características genéticas. Tínhamos, ainda o problema da coloração de olhos: se obter Silvers & Goldens com intensa cor de olhos verdes num padrão extremado era um sonho, que dirá, conseguir boa coloração de olhos azuis nos Himalaias Silvers, ainda mais provenientes de Chocolates e Lilazes, cuja cor de olhos já é bastante pálida...? 
           Por outro lado, a linhagem de todos os reprodutores  com os quais o Gatil Blaze Star vêm desenvolvendo sua criação é realmente excelente, mesmo pertencendo a esse grupo tão difícil de cores.
           Mas eram planos para o futuro; sempre exigente com a qualidade em todos os níveis, era necessário primeiramente aprimorar o padrão dos Silvers Shadeds, Chinchilas e Goldens, para que posteriormente viessem os gatinhos Silvers Points, ou seja, os Himalaias Silver Shadeds. 
          Porém, bem antes do esperado e até mesmo antes do nascimento das primeiras ninhadas de seus fantásticos Charlie e L´Amour, eles chegaram: na noite de 07 de maio de 2001, nasceu a primeira ninhada de Silver Shadeds Points da América Latina.
           Filhos de uma bela Silver Shaded nascida no próprio Gatil, três dos quatro filhotes pertenciam à categoria Top Show. Três Silvers Points e um Silver Shaded.
          Os filhotes Silvers Points são himalaias, com todas as características exigidas como o ideal para o padrão raça: o narizinho contornado de preto, carinha muito achatada, cabeça grande e arredondada  e lindos olhos azuis; a coloração da pelagem é realmente prateada nas extremidades do corpo: orelhas, cauda, carinha e patas.
          O Silver Shaded é completamente prateado, orelhinhas pequenas posicionadas lateralmente na cabecinha redonda, e excelente estrutura corpórea, sólida e compacta como a dos persas. Sua coloração é bem clara, sem nenhuma marcação tigrada, o que também é bastante raro nos Silvers, Points ou não: eles sempre nascem com marcas tabbies, que podem ou não desaparecer com o tempo. 
          Num incansável trabalho de aprimoramento e realização de seus ideais, sempre primando pela perfeita saúde de seus animais, hoje o Gatil Blaze Star dispõe de diversos gatos das cores mais raras e nobres que se pode imaginar: os lindos Chocolates Shadeds Point, como Blaze Star Shine Star, 1º Best of the Best da Exposição Internacional de Gatos de Raça FelineClub, ocorrida em Agosto de 2005, julgada por duas Juízas americanas, criadoras e entendedoras de Himalaias; Blaze Star Fleetwood, um lindo Lilac Chinchila Point, e seu pai, Blaze Star Angel Dancer,  todos com uma coloração de olhos tão intensa e profundamente azuis, que só se pode encontrar nos verdadeiros Siameses de altíssimo padrão.
 
          De coloração tão diferente e com a expressão alegre e vívida de quem deseja ser muito amado, essa nova modalidade de Himalaias  fazem muito sucesso e encantam a todos que os conhecem.
   
       Assim, o Brasil pode se orgulhar não só pela qualidade de seus persas, mas também de seus belíssimos Silvers e Goldens..... e, claro, de seus lindos Silvers Points.

Texto: Elaine Jordão
Gatil Blaze Star