GATINHOS ÓRFÃOS
C
OMO CRIÁ-LOS?

      
             
Uma gata que abandona a ninhada, ou ataca seus filhotes; uma doença súbita; um acidente trágico  durante ou após o parto, ou  ainda, uma gata inexperiente;  ou pode ser que ela não tenha leite suficiente  para alimentar todos os filhotes... ou seja uma mãe preguiçosa...    
 
            Uma ninhada de gatinhos sem mãe;  tão pequeninos, tão frágeis... E agora? O que fazer diante dessa situação?
            O ideal é encontrar uma gata que tenha tido cria  recentemente e perdeu os gatinhos, ou que possa adotar alguns filhotes a mais; se conseguir encontrar, o próximo passo é fazê-la aceitar os órfãos, o que não é difícil.    
             Só que nem sempre isso é possível. Portanto,  caso você não consiga uma outra gata que possa ser a mãe adotiva, prepare-se: você foi a escolhida!
            Acomode os filhotes em uma caixa de papelão forrada  com um cobertor ou tapete, colocando por cima um lençol ou uma  toalha, que poderão ser  trocados diariamente.
           Você precisará manter os filhotes sempre aquecidos, pois eles não retém a temperatura do corpo nas primeiras semanas de vida. A temperatura certa é fundamental para que sobrevivam. Você pode colocá-los sob uma lâmpada de 40 Watts a 1 metro de distância, ou pode usar  uma bolsa de água quente,  ou ainda  2 garrafas plásticas  envolvidas em uma toalha.  
          
 Não cubra os filhotes, pois, ao se mexerem na caixa, poderão sufocar-se. Um aquecedor (sempre morno, nunca quente) também é uma opção, mas não se esqueça de manter sempre uma vasilha com água ao lado, pois o aquecedor pode provocar ressecamento nos pulmões.
Uma bolsa de água quente também funciona muito bem. A temperatura ideal é de aproximadamente 35 graus. Proceda assim até 20 dias após o nascimento.
            Deixe-os  descansar bastante. Até 20, 25 dias de idade, os filhotes dormem o tempo todo.
            Alimentá-los é o próximo passo. O leite de vaca não é bom para isso: o da gata tem um teor de proteínas muito alto e é muito mais rico, além de possuir todos os anticorpos de que os filhotes necessitam. Isso você não poderá substituir; portanto, sempre mantenha contato com um veterinário, pois seus gatinhos estão sujeitos a um risco bem maior.
              Em lojas especializadas,  você encontrará   produtos que se assemelham muito ao leite de gata, ou até esse próprio leite desidratado; essa é  a melhor saída. Outra opção é uma fórmula caseira  que funciona muito bem nas três primeiras semanas e pode ser feita com 1 colher de sopa de leite em pó (suave) para 100 ml de água, uma colher de café rasa de gema de ovo, a mesma medida de creme de leite e meia medida de suplemento vitamínico  à base de Complexo B e Cálcio.
              Se preferir, compre uma mamadeira  em lojas de produtos para animais (não é difícil de ser encontrado), ou use um conta gotas. Ofereça o leite sempre morno. Não aperte o bico na boca do gatinho; apenas pingue uma gota para que ele sinta e deixe que ele mesmo sugue. Coloque o gatinho em cima de uma toalha, se possível, no colo ou na mesa, segurando a cabeça  entre o polegar e o indicador, mantendo-a  reta e ligeiramente mais baixa que o corpo. Cuidado para que o furo do bico da mamadeira não seja grande demais.
              Todos estes cuidados evitam que o gatinho engasgue ou que o  leite vá  para os pulmões, o que provocará uma pneumonia, matando o filhote em poucos dias. Isso é muito comum em filhotes criados artificialmente. Caso ele se engasgue,  levante a parte traseira rapidamente e sacuda suavemente o filhote para baixo, para eliminar o leite que entrou pelas vias respiratórias. Assopre o gatinho devagar.
               Para limpá-los,  faça o seguinte: 1 vez ao dia, esfregue o gatinho com  a ponta de uma toalha levemente umedecida com água morna e algumas gotinhas de vinagre e álcool; seque-o muito bem. Cuidado com o umbigo: se esfregá-lo com  força, você poderá arrancá-lo, o que provocará infecções. Caso isso aconteça acidentalmente, desinfete-o 2 ou 3 vezes por dia com  iodo ou merthiolate.
               É a mãe quem faz com que o gatinho urine e evacue; portanto, estimule-o a isso, passando delicadamente uma toalha de papel umedecida debaixo da cauda.
               Os gatinhos só abrem os olhos aos 10 ou 12 dias. É normal,  depois de alguns dias, que seus olhos fiquem um pouco irritados, podendo aparecer  uma conjuntivite. Se isso acontecer, limpe-os com soro fisiológico e pingue um colírio indicado pelo seu veterinário.
              A partir da quarta semana, você deverá começar o ‘desmame’. Você pode fazê-lo de duas formas: prepare uma papinha,  com uma parte de leite para uma de água (SEMPRE dilua o leite), engrossada com amido de milho; adicione carne moída crua e as  vitaminas e cálcio. Ou, se preferir, dê-lhes somente a  carne moída crua com um suplemento vitamínico (pode ser os mesmos que você estava usando no preparo da mamadeira, ou  aqueles utilizados para bebês). Ofereça aos filhotes  três vezes ao dia; depois da sexta semana, diminua para duas vezes. Também deixe à disposição dos filhotes ração seca, pura.
             Nessa fase, os filhotes começam a evacuar e urinar sozinhos. Muito limpos por natureza, eles procuram o local que ELES consideram mais adequado para isso que, normalmente, é dentro do pote de ração;  ali, eles poderão cobrir suas necessidades.  Deixe ao lado do pote de água e ração uma bandeja sanitária forrada com papel ou jornal, e mostre a eles que é ali que devem fazer xixi; eles aprendem rápido. Mas, se eles estiverem confusos  e demorarem a aprender, opte pelo granulado sanitário: eles aprenderão  fácil.
              Duas vezes ao dia, misture carne moída com ração seca (de boa qualidade, com alto teor de proteínas),  e as vitaminas, só o suficiente para uma refeição, pois a ração, depois de umedecida, fermenta em poucas horas. Ofereça a bolinha de carne em cima do potinho de ração seca, para que ele saiba que o alimento estará disponível para ele sempre naquele lugar.
               Vá diminuindo a carne,  até que eles se habituem a comer a  ração pura. Ofereça uma pequena bolinha de carne 1 vez ao dia, para administrar as vitaminas, ou administre-as  diretamente na boca. Não se esqueça, toda mudança de alimentação deve ser sempre gradativa.
               Após os 40 dias, os filhotes já podem ser banhados, tomando o cuidado de secá-los muito bem com um secador de cabelos.
               A vermifugação é muito importante nessa fase. Mas o uso indiscriminado de vermífugos pode acarretar problemas a seus gatinhos: o ideal é que se faça um exame de fezes, para constatar se há alguma verminose e de que tipo. Se houver, seu veterinário lhe indicará qual o vermífugo mais adequado para cada caso e a dosagem certa, conforme o peso e idade dos filhotes.  
               Ele também deverá orientá-lo a respeito das vacinas. A  primeira dose  deve ser administrada aos 2 meses, e o gatinho deverá tomar mais duas doses de reforço, com intervalos de 30 dias entre cada uma delas.
                 Afinal.... Parabéns! Seus filhotes estão criados! Agora, basta apenas encontrar bons lares para os gatinhos, tendo a certeza de que serão cuidados com o mesmo amor que você lhes dispensou.

Texto: Elaine Jordão
Gatil Blaze Star