ENTREVISTA

CONHEÇA O DIA-A-DIA DE QUEM CONVIVE COM ELES  
Publicada na Cães & Cia e Animais & Cia

              AMOR AOS GATOS.
              Esse é o principal sentimento que leva uma pessoa a escolher um gato como seu bichinho de estimação. Já existe uma  admiração  por eles  que parece inata; logo, ela descobre todo seu encanto e percebe  que é impossível ter somente um. E assim, começa uma criação.

             Amor. Este sentimento é fundamental; mas a história de um criador bem sucedido  também inclui  muita garra, determinação e perseverança. Muito trabalho. Muita dedicação. E muita responsabilidade, também.   
             Conheça um pouco da história de Elaine Jordão, proprietária do Gatil Blaze Star. Uma criadora de sucesso, que teve que enfrentar muitas dificuldades e muitos desafios para chegar lá, mas que, fortalecida pelo   amor de  seus lindos persas, jamais pensou em desistir.
             Elaine Jordão era uma dessas crianças que observamos ainda nos dias de hoje,  abraçadas com gatinhos de rua. Desde tenra idade, sua paixão por felinos era comovente, fossem gatos grandes como os tigres, ou pequenos como os domésticos. O fato de não poder possuir um gatinho  fez com que essa paixão  aumentasse cada dia mais. Ela nos conta sua história, enquanto seus bichanos  aconchegam-se a ela, pedindo carinho e participando de tudo.
           ... “Desde criança, sempre fui apaixonada por  gatos. Mas não podia tê-los, eu era a única  na  família que gostava deles. Eu morava num bairro  calmo, e era comum encontrarmos filhotes  pela vizinhança. Eu costumava brincar com eles na rua, e por vezes,   levava um  para casa, mantendo-o  escondido em meu quarto.
Mas nossa alegria durava até o momento em que éramos descobertos; e logo estávamos,
de novo, brincando na rua.
              Cresci, e  a paixão por eles também.   Assim que pude, comprei uma persa azul, apenas  para me fazer companhia.  Em 1993, comentava   a respeito da  visita inesperada de um gato da vizinhança à minha gatinha, que acabou resultando numa bela ninhada de mestiços;  daí surgiu a idéia de começar a criá-los; porém, com gatos de linhagem pura e com todos os cuidados de proteção para que gatos externos não pudessem mais estar em contato com eles.
              Comprei meus primeiros gatos com pedigree: uma bicolor, uma shaded, uma escama de tartaruga e um macho Creme Fumaça. Inexperiente,  entendendo  muito pouco do assunto e  sem ninguém para me ajudar, logo percebi que esses gatos eram  incompatíveis entre si,  pois cada um deles pertencia à uma categoria diferente; eles gerariam filhotes de cores que, naquela época,  ainda não seriam aceitas pelas Federações às quais me filiara.
             Além disso, os dois últimos eram  irmãos, e da mesma ninhada: não podia acasalá-los. Mas já os 
amava, não podia simplesmente me desfazer deles. “
             -   “E eles estão com você até hoje?” Perguntamos.
             -   “Sim, estão”, ela responde, nos mostrando quais são. E continua:
             “Descobria a cada dia o quanto era gratificante conviver com eles. Surpreendentemente inteligentes e sensíveis, o relacionamento com um gato persa pode ser chamado de sublime. Eles sabem quando lhe dar carinho, ou quando você está triste, e como alegrá-lo. 
              Muito dóceis, quietos, comportados e ao mesmo tempo,  muito divertidos e brincalhões, são  excelentes  companheiros. Além disso, são extremamente  limpos e organizados com sua rotina diária, que estabelecem  em perfeita harmonia com a nossa. Eu imaginava que seria incrível  tê-los em minha companhia, mas nunca pensei que fosse tanto assim.
              Percebi que tinha muito a aprender.  Precisava de conhecimentos na área de nutrição, saúde, doenças mais frequentes, padrão,  beleza, etc. Cuidar de um ou dois é fácil, mas de vários... e também precisava definir a categoria que desejava criar, dentro  das  cores que mais me agradava.
              Nos dois primeiros anos  fui buscando cada vez mais conhecimento, me aprofundando em estudos sobre suas necessidades,  sua saúde  e sobre a raça. A minha principal preocupação era que estivessem absolutamente saudáveis e felizes.
              Li muitos livros, revistas, tive inúmeras conversas com veterinários especializados e alguns criadores,   testei várias vitaminas, participei de  cursos intensivos sobre  nutrição e  fisiologia dos  felinos, tudo isso aliado à experiência prática do dia-a-dia. Fui aprimorando a alimentação e os cuidados, aprendendo também a lidar com a longa e abundante pelagem e a preparação dos persas para as Exposições Internacionais de Julgamento.
              As dificuldades financeiras eram relativamente grandes, já que no primeiro ano eles eram filhotes, ainda não reproduziam; mas  jamais deixei faltar absolutamente nada aos meus gatos. Eles  não conhecem as  dificuldades humanas e nem devem sofrer com elas: fui eu quem optei em tê-los comigo, e não o contrário;  portanto,  precisavam continuar tendo exatamente os mesmos cuidados, independente da situação. Nunca deixei de oferecer-lhes  o que há de melhor disponível no Mercado;  mas procurei evitar atravessadores, adquirindo produtos direto do fabricante ou de Distribuidores.
           Logo, começava a pensar em adquirir  outras matrizes, dessa vez compatíveis entre si;   tinha predileção  pelos brancos, azuis,  e  os Chinchilas e Shadeds, os lindos persas prateados de olhos verdes, difíceis de serem encontrados;  descobri os  Himalaios, belíssimos gatos persas  ponteados, de olhos azuis; estudando genética,fui descobrindo que eles  eram compatíveis. Blue Tabbies,  Himalaios Chocolates, os Himalaios Silvers, os Goldens....  as cores mais  difíceis de serem trabalhadas, mas ainda assim, era o que eu queria fazer.  E o  Gatil foi crescendo, dentro de uma  linha de persas  de linhagem nobre  e cores raras.
            Mas minha principal preocupação sempre foi  a saúde. A idéia de perder um de meus gatos me apavora. Tomo todos os cuidados, mantenho um rígido controle de higiene, e estou  sempre atenta a tudo o que acontece,  pois eles convivem conosco dentro de casa. Os bebês ficam comigo em meu quarto, pois posso atendê-los prontamente em qualquer necessidade. Todos nós os amamos muito, são tratados como membros da família. E eles retribuem muito cada minuto de atenção e carinho  que lhes dedicamos.
            Todo esse cuidado e amor, mais a saúde perfeita, a excelente linhagem e o temperamento
extremamente dócil e alegre dos meus gatos fizeram meu Gatil conhecido em pouco tempo.
            Logo  fui convidada a participar  como Colaboradora de algumas publicações mensais, como a 
Animais e Cia, Pet Shop e Cia, Pet News, Vida no Aquário e Pet e diversas outras,  escrevendo matérias ensinando as pessoas a cuidarem e a amarem seus gatinhos.  Na mesma época, começavam a surgir convites para sessões fotográficas e campanhas publicitárias;  também fui convidada
várias vezes para entrevistas  em  programas de TV. 
            Lancei meu  site na Internet; não consegui nenhum profissional que pudesse transmitir o que meus  gatos realmente significavam para mim; então, sozinha e sem o menor conhecimento de Informática,  eu mesma o fiz..
            Há algum tempo  já participava  de várias  Exposições Internacionais de Julgamento de Gatos de Raça;  meus gatos sempre ficavam  muito bem colocados, estando entre  os  melhores; e já estiveram,  por várias vezes,  entre os 10 melhores gatos do Ano.
            Hoje, me sinto plenamente realizada. Amo  o que faço, não posso imaginar minha vida sem eles; e tudo o que lhes dedico também é transmitido aos novos donos: as pessoas  sempre me telefonam dias depois, me agradecendo pela alegria e  vida que meus bichinhos  levam  a eles. Ofereço assistência permanente aos filhotes: assim,  o novo proprietário conta com minha experiência para orientá-lo sempre que tiver qualquer  dúvida, ao mesmo tempo que mantenho contato frequente  com o bichinho que criei com tanto amor.
            Levar vida para a vida das pessoas é uma grande responsabilidade. A maioria das  pessoas que desejam  um bichinho de estimação procuram, na realidade, uma fonte de prazer, de satisfação, talvez como um consolo ou  uma compensação pela vida tão árdua que levamos;  e é isso que procuro fazer,  sempre.
            Eu acredito  que criar animais é uma vocação, é  dom de Deus. Assim como a nossa própria, a Vida deles também  vêm das Mãos de Deus,  e  Ele as coloca  sob nossa responsabilidade. Agradeço a Ele por ter me dado esse Dom, e tudo o que tenho e o que sou hoje, eu devo a Ele;  é o Amor de Deus que tenho levado 'a vida das pessoas através de meus gatos. Muito mais que a comercialização de filhotes, eu tenho colaborado para  tornar as pessoas melhores, mais felizes. ”

Texto: Elaine Jordão
Gatil Blaze Star