CONSCIENTIZAÇÃO

A RESPONSABILIDADE DE ADOTAR UM ANIMAL DE ESTIMAÇÃO
   

           
É crescente a procura por animais de estimação. Pelo ritmo de vida agitado dos dias de hoje, pela falta de tempo  e pelos cuidados simples que requerem, as pessoas têm optado por  gatos: são animais limpos, quietos, dóceis e carinhosos; e, ao mesmo tempo, independentes.
           
Porém, muitos novos proprietários não tem a noção exata da  responsabilidade de ter  um bichinho de estimação, e  o que envolve incluir uma nova vidinha em sua rotina diária: compram animais movidos por  impulso, sem considerar as possibilidades de mudanças em sua vida a médio e/ou longo prazo, e se o  novo amiguinho terá seu espaço garantido dentro dessas prováveis mudanças. Gatos sadios e bem cuidados podem durar 20 anos, ou mais; se for um gato de raça, pode chegar aos 15 ou 18 anos de idade.
           
Assim, Gatis  e Instituições de abrigo a animais abandonados recebem dezenas de ligações diariamente de pessoas que querem doar seus bichinhos  de estimação, semelhante  ao modo que fazemos quando temos objetos antigos em casa que não nos interessa mais.
            É muito importante que o futuro proprietário  tenha sempre em mente que um bicho de estimação é,  na realidade, um novo membro na família. Necessita de amor, carinho, respeito e os cuidados que temos com nossas crianças humanas. Trata-se de um animal, mas que cresceu em um local que foi determinado pela  pessoa que o escolheu, que o  desejou desde que ele era apenas um bebê:  por esse motivo, a responsabilidade do que venha a ocorrer com o gatinho durante toda a sua vida é de seu dono, que tirou-lhe a possibilidade de ser adotado e/ou adquirido por alguém que poderia mantê-lo na família, amando-o e respeitando-o como ele merece.
           Absolutamente inocentes e puros, independente de espécie e raça, um animal doméstico sempre inspira bons sentimentos, dando-nos uma lição de vida diária: são fiéis, leais, carinhosos, companheiros e dedicados.
           Seu amor desinteressado nos ensina como devemos amar as pessoas; sua alegria faz com que as tensões do dia-a-dia sejam quase que completamente esquecidas, em meio ‘as suas brincadeiras e carícias. Eles jamais manifestam sua afeição em troca de algo, mas sim, de maneira espontânea, demonstrando que realmente amam seus donos, e se empenham para protege-los e zelar por eles.
           A convivência com um gato é muito mais do que simplesmente possuir um bichinho de estimação: eles interagem de maneira inexplicável com seus proprietários: na realidade, o gato escolhe seu dono, e não o contrário. Essa escolha é fundamental para que ambos sejam amigos e companheiros inseparáveis.  Extremamente inteligentes, eles conhecem verdadeiramente nossas intenções e sentimentos,  quando estamos tristes, quando precisamos de sua companhia, ou desejamos ficar sós.
          A grande maioria dos proprietários de gatos relatam que seus queridos felinos sabem quando ele está doente, tornando-se seus fiéis guardiães; ou  sentam-se junto ‘a porta, aguardando ansiosos a chegada de seus donos, mesmo que estes ainda estejam  longe de casa.
           Da mesma forma, eles sabem  quando estão prestes a serem doados ou abandonados, seja por quaisquer motivos: por mudança de residência, motivos de saúde, ou mesmo porque, simplesmente, cansaram-se deles. Isso  gera profunda tristeza para o animal: é cientificamente comprovado que eles podem morrer por esta razão.
           Importante analisar a questão financeira: muitas pessoas julgam que animais domésticos não geram custos. 
           Realmente, não é necessário dispender muito dinheiro para a manutenção de um gatinho, se este estiver forte e sadio: mas alguns gastos são absolutamente indispensáveis. 
           A alimentação é fator primordial para a manutenção da saúde: uma dieta bem balanceada garante os níveis ideais de proteínas, sais minerais  e vitaminas necessárias para o pleno desenvolvimento do filhote. Esses nutrientes são encontrados nas rações industrializadas, especialmente desenvolvidas para suas necessidades.
           A comida caseira deve ser evitada: o uso contínuo dela pode provocar o aparecimento de problemas dentários, como tártaros e gengivites, principalmente nos exemplares de raça; alimentação muito variada, a base de  condimentos e/ou cereais podem provocar diarréias e a conseqüente destruição da flora intestinal  que, muitas vezes, torna-se crônica e extremamente difícil de ser curada. O mesmo pode acontecer em mudanças alimentares muito bruscas, mesmo que seja de uma marca de ração para outra. Toda mudança alimentar deve ser gradativa, a fim de evitar  problemas gastro-intestinais. 
            A negligência na administração de  vacinas no devido tempo provoca doenças que podem levar o gatinho ‘a morte, doenças essas que poderiam ter sido facilmente evitadas. No caso de felinos, a vacina não é vendida em Pet Shops ou lojas, mas comercializada somente para  veterinários, que avaliam as condições de saúde do animal antes de administra-las. Portanto, uma consulta de rotina torna-se indispensável. O gatinho deve tomar três doses de vacina no primeiro ano de vida.
             Se você não deseja filhotes, não exite em castra-lo, o que é recomendável somente após os 10 meses, quando atingem a idade adulta: eles necessitam de sua produção hormonal para completarem seu crescimento. A castração evita diversos problemas, como passeios aos telhados e ruas, que teria como consequência brigas com outros animais, que sempre provocam sérios ferimentos ou até mesmo a morte; atropelamentos; contaminações de doenças virais e/ou parasitárias; namoros que teriam como conseqüência  filhotes abandonados nas ruas; ou ainda,  se ele for um gato de raça,  inevitavelmente outra pessoa o tomará para si, julgando tratar-se de animal perdido:  você provavelmente jamais veria seu amiguinho novamente.
             Enfim, se você realmente estiver certo de que está tomando a melhor decisão para todos, incluindo o animal, adote seu bichinho de estimação, realmente, como um filho: ele trará muito amor e alegria ‘a sua vida. Em contrapartida, o carinho, o respeito e o amor da família assegura a  felicidade dele, também. 
             A responsabilidade  da posse de um animal e o respeito ‘a vida deve estar na consciência de cada um de nós. O Homem é soberano na natureza, e a preservação da vida depende unicamente de nossa  conscientização de como zelar por eles.

Texto: Elaine Jordão
Gatil Blaze Star